Se você acredita nesta campanha, por favor faça sua contribuição

Segunda Sem Carne na Revista Mais

Veja mais sobre clipping, Notícias
Publicado em 22 de julho de 2015

No dia 17 de Julho desse ano a Segunda Sem Carne foi matéria, super completa, na Revista Mais. Confira a matéria na íntegra:

UM DIA DEDICADO AO PLANETA

segundacapa

Conheça a “Segunda sem Carne”, campanha mundial que incentiva as pessoas a deixarem de consumir carne por pelo menos uma vez na semana; vegetarianos por um dia buscam um organismo mais saudável e um mundo mais sustentável

Luna Normand

“Há muitos anos, estava pescando e, enquanto puxava um pobre peixe, entendi: eu o estou matando pelo simples prazer que isso me dá. Alguma coisa fez um clique dentro de mim. Entendi, enquanto olhava o peixe se debater para respirar, que a vida dele era tão importante para ele quanto a minha é para mim”. A frase, do ex-beatle Paul McCartney, ganhou o mundo em uma campanha dele para o Peta, organização não governamental de proteção aos animais. O músico pode ser considerado, atualmente, um dos maiores ativistas em favor de um mundo mais limpo, mais sustentável e mais saudável. Adepto do vegetarianismo desde os anos de 1970, ele já disse em entrevistas que atribui a esse estilo de vida o vigor físico e mental que o permite continuar tocando em turnês com shows de quase três horas pelo mundo.
Consciente dos benefícios que a abstenção do consumo de carne trouxe para sua vida, o músico resolveu se engajar na causa. Por isso mesmo, apadrinhou a campanha “Meat Free Monday”, nacionalmente conhecida como “Segunda sem Carne”, lançada em 2003, nos Estados Unidos, com o objetivo de melhorar a alimentação dos americanos. Com o passar do tempo, no entanto, McCartney e os primeiros ativistas viram que a mudança ia muito além da saúde, trazendo resultados valiosos também para os animais e o meio ambiente. Foi então que a campanha viralizou hoje, mais de 35 países adotam a causa, entre eles o Brasil, com o mesmo objetivo: convencer a população a não comer carne pelo menos uma vez por semana. Mas, na prática, deixar de comer aquele saboroso filé por apenas um dia faz diferença para a saúde e o meio ambiente?
O portal da “Segunda sem Carne”, coordenado pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), admite que a retirada da carne e seus derivados do prato, como a campanha propõe, não é suficiente para reduzir o consumo excessivo de carne pelos brasileiros, de cerca de 42 kg por pessoa ao ano. Porém, a atitude é considerada positiva no que corresponde à educação ambiental, à melhora significativa da saúde e à abertura das pessoas a novos sabores. E é exatamente isso que sugere a campanha, por meio de três pilares: pelo planeta, pelas pessoas e pelos animais.
De acordo com a SVB, são abatidos mais de 10 mil animais terrestres por minuto no Brasil. A produção de 1 kg de carne bovina no país envolve a emissão de 335 kg de CO2, o mesmo que dirigir um carro por 1.600 km. Ou seja, a criação de animais gera mais gases responsáveis pelo efeito estufa do que o setor de transportes. Ao se diminuir o consumo de carne, reduz-se ainda o desmatamento, a desertificação, a extinção de espécies, a destruição de habitats e até de biomas inteiros, além da incidência de doenças crônicas e degenerativas, como diabetes, obesidade, hipertensão e alguns tipos de câncer. “A ‘Segunda sem Carne’ tem dois grandes objetivos: convidar a população a descobrir novos sabores ao tirar os produtos de origem animal do prato, conscientizando-a sobre os impactos que o hábito traz, e promover a redução global de seu consumo mediante políticas públicas”, revela a gerente de campanhas da SVB, Mônica Buavas. Como segunda-feira é mundialmente conhecido como o dia de mudanças e de tomadas de decisões, ele foi instituído pela campanha como o ideal para os vegetarianos por um dia abolirem o consumo de carne.
content_segundacapa2DA ESCOLA PARA A VIDA
Em São Paulo, desde 2011, os alunos da rede pública de ensino têm acesso a refeições 100% livres de produtos animais, por meio de um projeto chamado “Merenda Vegetariana”, que faz parte da “Segunda sem Carne” e é realizado em parceria com a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. O modelo também foi adotado, por prefeituras, de outras capitais, como Rio de Janeiro, Distrito Federal e Curitiba.
Em Belo Horizonte, o projeto ainda não se tornou política pública, mas é realizado por conta própria pela Escola Americana (EABH), que, desde abril de 2012, criou o “Meatless Monday” (Segunda sem Carne). Inspirado no projeto paulistano, por aqui as carnes das refeições também foram substituídas, nas segundas-feiras, por preparações proteicas à base de soja, ovos e queijos, resultando em um novo cardápio que conquistou crianças e adolescentes.
A estudante Ana Luiza Roberti Amaral, 15, precisou se adaptar à mudança, já que suas refeições sempre tiveram a carne como um dos alimentos principais. A novidade, no entanto, foi bem-recebida por ela. “Eu sempre comi carne e, no início, achei estranho ficar um dia sem ela, mas, com o tempo, vi que podia se tornar um bom hábito a ser praticado. A partir do projeto, eu mudei meus hábitos e comecei a experimentar uma maior diversidade de alimentos, ampliando meu paladar e, de certa forma, melhorando a minha alimentação com o consumo de mais frutas, por exemplo. E também passei a não mais comer carne nas segundas-feiras”, conta.
Quando o aluno entra na EABH, os pais já são avisados sobre o “Meatless Monday”. A nutricionista responsável pelas refeições, Aline Miriam Gonçalves, 35, diz que até hoje não teve reclamação. “Os alunos, já há alguns anos, participam com sugestões e receitas. E o que é ainda melhor é que muitos passaram a experimentar preparações à base de outros alimentos, como legumes e soja, o que antes não acontecia”, revela.
Para Ana Luiza, os benefícios vão além da saúde e englobam um ciclo muito complexo. “Para as produções de vaca, por exemplo, é necessário um vasto campo para que elas pastem, mas, com essa pastagem, o solo é desgastado e a terra, compactada. Como se não bastasse, as vacas precisam de muita água para viver e ainda produzem metano, o que é extremamente prejudicial para a camada de ozônio. Além disso, o transporte dessa vaca e da carne de um lugar ao outro é feito por meio de automóveis, que produzem uma quantidade significativa de gás carbônico. Concluindo, acredito que o maior beneficiário da redução do consumo de carne, além da nossa saúde, é o meio ambiente”, afirma.
A prática na Escola Americana de Belo Horizonte é bem-aprovada não só pela estudante, mas também pela família dela e pela de seus colegas. “Acredito que ela seja vista pelos pais como uma boa ideia, pois inspira seus filhos a buscarem uma melhor alimentação, a experimentarem uma maior diversidade de alimentos e a ajudarem o meio ambiente e a própria saúde”, ressalta.

PROJETO DE LEIcontent_segundacapa3
O vereador de Belo Horizonte Leonardo Mattos (PV) mudou a sua alimentação há cinco anos. Desde então, deixou de comer carne por, pelo menos, um dia na semana, substituindo o alimento por outros mais saudáveis e ecologicamente corretos. Segundo o parlamentar, a mudança no organismo foi visível e, por isso, ele já faz planos futuros. “É uma cultura que precisamos adotar, assim como economizar água. Além de fazer bem para a saúde a longo prazo, faz muito bem para a sociedade. Planejo adotar o segundo dia sem carne em breve e, daqui alguns anos, retirar a carne completamente do meu cardápio”, afirma.
No entanto, e a falta de conhecimento e de investimento de empresários do ramo alimentício na capital mineira dificulta quem opta pelo vegetarianismo. “Boa parte das lanchonetes e dos restaurantes ainda comercializa somente produtos com carne. Por isso, essa minha escolha não é fácil. O mercado precisa olhar para esse novo público e se adaptar”, reclama.
Por isso mesmo, Leonardo Mattos é autor do Projeto de Lei 92/2013, que institui o “Programa Segunda sem Carne” em Belo Horizonte. O objetivo é estimular a população a adotar a abstenção de carne por pelo menos um dia na semana, incluindo cantinas de escolas e restaurantes populares. Mattos defende ainda que a medida pode reduzir o desperdício de água, o desmatamento, a extinção de espécies, a destruição de habitats e até de biomas inteiros. “O PV é um partido que já possui uma certa postura ambiental. Recebi em meu gabinete, em 2013, a visita de um grupo de São Paulo que me apresentou a campanha e solicitou que eu a transformasse em projeto de lei”, lembra.
O PL está pronto para ser apreciado pelo plenário da Câmara dos Vereadores, e a expectativa é que ele entre em pauta ainda neste ano. Para virar lei, o PL precisa do voto favorável da maioria dos vereadores e também ser aprovado em dois turnos.

Fonte: Revista Mais